Brasil promulga lei garantindo independência dos bancos centrais | Reuters | O negócio

BRASILIA (Reuters) – O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, assinou na quarta-feira uma lei que prevê a independência do banco central do país para garantir que ele esteja livre de interferência política.

A lei não muda a forma como o banco fixa as taxas de juros, mas sim as esconde da política, estabelecendo mandatos fixos de quatro anos para o governador e gerentes que não coincidem com o ciclo de eleições presidenciais.

O presidente do banco também não fará parte do gabinete.

Bolsonaro elogiou o atual presidente do banco, Roberto Campos.

“Assinei esta lei apenas porque tenho confiança em sua capacidade e integridade”, disse o presidente.

A autoridade monetária tinha, de fato, independência de fato para implementar as políticas consideradas necessárias para atingir as metas de metas de inflação, mas o presidente do banco era tecnicamente um membro do gabinete nomeado pelo Presidente do Brasil.

A lei estabelece que os objetivos secundários do banco após o combate à inflação incluem garantir a estabilidade do sistema financeiro, mitigar as flutuações do ciclo econômico e promover o pleno emprego.

Economistas disseram que isso ajudaria a impulsionar a estabilidade econômica, a confiança empresarial e atrair investimentos.

(Cobrindo Anthony Bodel, editado por Hemani Sarkar)

READ  Governo brasileiro conclui tour mundial 5G

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe