Do Rio a Pittsburgh: Keila Grinberg para chefiar o Centro de Estudos Latino-Americanos | Bitwire

Há um novo rosto na cabeça de Pete Centro de Estudos Latino-americanos (CLAS). Ela é Kayla Greenberg, professora de história e especialista em escravidão e raça no Brasil e em outras regiões atlânticas.

Ela assumiu a diretora em janeiro, mas devido ao fechamento da fronteira imposto pela pandemia, ela trabalha de seu apartamento no Rio de Janeiro – participa de reuniões do Zoom, planeja eventos e conhece professores e alunos do Pete. Grinberg também é professor júnior na Pitt Departamento de História No Escola de Artes e Ciências Kenneth B. DietrichQue oferece uma ampla gama de cursos introdutórios e mais especializados na América Latina.

Ariel Armoni, vice-reitor e diretor de assuntos globais Centro Universitário para Estudos Internacionais, Diz que está muito feliz em receber Greenberg em Pete.

“A rica e profunda experiência da Dra. Grinberg no campo, seu trabalho pioneiro sobre a escravidão no Brasil e seu legado, servirão para elevar o CLAS como um centro de renome mundial.” “Sua visão ousada para o CLAS nos levará a expandir pesquisas de ponta, bolsas de estudo e parcerias inovadoras na América Latina e no Caribe.”

Uma economia construída por pessoas escravizadas

Greenberg afirma que entender a história da escravidão no Brasil, que só foi anulada em 1888, é fundamental para entender a sociedade brasileira. De todos os escravos africanos que vieram para as Américas, cerca de 45% desembarcaram no Brasil e 5% nos Estados Unidos. “Esses números nos ajudam a entender como a experiência da escravidão e do racismo molda a história e a sociedade brasileira hoje”, disse ela.

Por 300 anos, os escravos mantiveram a economia brasileira volátil – do trabalho árduo nas plantações de cana-de-açúcar no século 16, ao algodão, mineração de ouro e diamantes e, posteriormente, colheita do café. Até hoje, diz Greenberg, o Brasil ainda tem resquícios de seu passado colonial junto com a escravidão moderna – as pessoas ainda cavam em um ambiente desumano e os migrantes trabalham em condições muito precárias.

READ  Relatórios: XP perde quatro conselheiros para rival brasileiro: relatórios

“Não há nenhum lugar no mundo que elimine o trabalho forçado”, disse ela. Embora ela acrescente que nos primeiros quinze anos deste século, o Brasil foi um dos países na vanguarda da luta moderna contra a escravidão.

Documentando a história

Toda essa história é o foco Presente do passado: memória da escravidão no Brasil, Um projeto que Grinberg e dois colegas fundaram no início dos anos 2000 e trouxeram para Pitt com ela.

Com base nas histórias orais que obtiveram de descendentes da última geração de escravos africanos no estado do Rio de Janeiro, os pesquisadores desenvolveram um banco de dados enorme e ainda em expansão de locais – igrejas, praias, cemitérios e quilombos ou assentamentos remotos estabelecidos por fugitivos escravos.

Keila Grinberg e suas filhas usam máscaras faciaisExiste também um aplicativo para smartphones do Present Pasts, com o qual é possível ouvir entrevistas e músicas cantadas pelos entrevistados. Indo de fato para o quilombo, por exemplo, escaneia o código QR e pode ouvir mais entrevistas e fotos adicionais. Muitos professores de jardim de infância até a 12ª série o utilizam como ferramenta educacional. As filhas de Greenberg, de 16 a 19 anos, o usaram em uma excursão escolar.

É também um estímulo para as três comunidades envolvidas – Quilombo Braque, Quilombo em São José da Serra e município de Pinheral. Os moradores locais atuam como guias, fornecendo alimentação e hospedagem para os convidados.

“Mais do que isso, dá a essas pessoas uma noção do que é absolutamente central para sua importância como guardiãs dessa memória”, disse Greenberg. “Não é apenas uma memória de escravidão, que é trágica, mas uma memória de sobrevivência – a sobrevivência de suas famílias e de sua cultura, a cultura afro-brasileira”.

READ  Chinese stocks rose as the country announced that its factory activity would expand in December

Uma visão do centro

Greenberg diz que espera continuar o trabalho já realizado pelo CLAS, um dos centros de maior prestígio da América Latina nos Estados Unidos. Embora ela já tenha uma forte conexão com as humanidades, Grinberg deseja desenvolver novas parcerias com campos próximos de seu coração – saúde pública, meio ambiente, campos da ciência, tecnologia, engenharia, matemática e ciências biológicas.

Ela presta homenagem a uma casa Latin Cluster Recruitment Initiative Ele afirma que fortalecerá os laços em Pittsburgh, em todo o país, bem como nas nações da América Latina. Ela admite que o corpo discente do Latinax at Home está crescendo e que incluirá sua filha mais velha Tatiana como aluna do primeiro ano no outono de 2021.

A comunidade latina em geral em Pittsburgh, que está crescendo de maneira lenta, mas constante, nunca estará fora de sua mente. Ela quer destacar a fama de Pete O Grupo Eduardo Lozano da América Latina Também pode ser complementado com uma coleção especial de vídeos e histórias orais sobre a memória da escravidão e da herança cultural afro-brasileira. Embora fosse uma casa animada todos os anos Festival Latino-Americano e Caribenho Adiado até outubro, o evento de visualização virtual ocorrerá em 9 de abril.

“O relacionamento com a sociedade é como criamos novos conhecimentos e valores”, disse ela. “Saber sobre sociedades que eram invisíveis no passado.”

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe