O magnata da mineração Benny Steinmetz foi condenado em um julgamento por corrupção na Suíça

Na sexta-feira, um tribunal suíço indiciou o magnata franco-israelense da mineração Benny Steinmetz sob a acusação de corromper funcionários públicos estrangeiros e falsificar documentos, em um julgamento sobre sua tentativa bem-sucedida de colher os luxuosos recursos de minério de ferro no país da África Ocidental, Guiné.

Steinmetz, uma das pessoas mais ricas de Israel, foi condenado a cinco anos de prisão e multa de US $ 56,5 milhões.

o Questão Centrou-se em alegados pagamentos multimilionários à ex-mulher do ex-presidente da Guiné, Lansana Conte, que morreu em 2008. O julgamento revelou um mundo misterioso e complexo de negociações e feroz competição na lucrativa mineração.

Seu advogado, Mark Bonant, disse que apelaria “imediatamente”. Bonant disse que seu cliente não deu “um dólar” a nenhum funcionário do regime da Guiné durante a presidência de Conte.

O procurador-geral Yves Bertossa disse a repórteres que estava “satisfeito” com a decisão, e o grupo suíço de transparência pública Public Eye elogiou a “decisão histórica”.

“Esta convicção de uma figura comercial de alto perfil não apenas envia um forte sinal para o setor de commodities como um todo, mas também demonstra a necessidade vital da Suíça de abordar as lacunas legais que permitem tais práticas predatórias”, disse ela.

Steinmetz, 64, negou acusações que datam de meados da década de 2000 de que sua empresa, a BSG Resources, pressionou um concorrente para obter direitos de mineração nos enormes depósitos de minério de ferro na região de Simandou, na Guiné.

A Promotoria de Genebra alegou que o Sr. Steinmetz e outros réus estavam envolvidos em corrupção por funcionários estrangeiros e falsificação de documentos para ocultar o pagamento de subornos de autoridades e bancos. Parte do dinheiro teria sido transferido via Suíça – e o caso foi investigado na Europa, África e Estados Unidos.

READ  Os B-52s novamente sobrevoam o Oriente Médio em um alerta militar dos EUA ao Irã

O gabinete do procurador-geral suíço disse que, a partir de 2005, Steinmetz havia elaborado um pacto de corrupção com Conte, que governou o país da África Ocidental de 1984 até sua morte, e sua quarta esposa, Mamadi Touré, que inclui o pagamento de quase US $ 10 milhões. .

No processo, o Ministério Público afirmou que a BSG Resources obteve licenças de exploração e exploração na Guiné entre 2006 e 2010 na região de Simando, e que ao seu concorrente – o grupo mineiro anglo-australiano Rio Tinto – foram negados os privilégios que detinha até então nessa área. .

Em 2014, após uma revisão lançada pelo presidente eleito democraticamente, Alpha Conde, o governo guineense acusou a empresa do Sr. Steinmetz de corrupção e pagou milhões de dólares por meio de um representante da Sra. Touré.

Organizações da sociedade civil têm feito lobby por propostas que agreguem responsabilidade às empresas sediadas na Suíça por suas ações no exterior. Uma dessas propostas, que teria responsabilizado empresas na Suíça por violações de direitos humanos e danos ambientais cometidos por subsidiárias no exterior, não conseguiu Referendo no ano passado.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe