Startup brasileira Tractian obtém selo de aprovação da Y Combinator para sua tecnologia de monitoramento de equipamentos

Igor Marinelli e Gabrielle Lamirineha cresceram em torno de fábricas. O pai de Marinelli trabalhava na International Paper em uma fábrica fora de São Paulo, enquanto o pai de Lemirinhas trabalhava em uma fábrica de cimento.

Ao longo de suas vidas, os dois amigos ouviram seus pais reclamarem do lamentável estado de manutenção e monitoramento dos equipamentos pesados ​​dos quais suas fábricas dependem para sobreviver e operar.

Então, os dois homens decidiram fazer algo a respeito e começaram a desenvolver a tecnologia que se tornaria Tractian.

Amigos da época da Universidade de São Paulo, Merinhas e Marinelli mantiveram contato enquanto Marinelli fazia carreira nos Estados Unidos como empresário. Eles se reconectaram no Brasil após o colapso da tentativa de Marinelli de lançar um serviço preditivo para uma condição crônica de saúde chamado BlueAI.

Marinelli passou algum tempo trabalhando em uma fábrica de papel e se tornou um engenheiro de software para a instalação. Lá ele viu o mau estado das ferramentas de relógios industriais.

Ele decidiu com Lameirin que poderia haver uma maneira melhor. As fábricas no Brasil não estão equipadas com redes Wi-Fi, gateways ou outras tecnologias de rede exigidas pelas soluções mais recentes de empresas como Siemens ou Schneider Electric. Marinelli disse que a integração com o software ERP existente de empresas como a SAP é outro problema.

“Apenas as indústrias de grande capital podem passar por essa bagunça”, disse Marinelli.

Os sensores Tractian medem quatro coisas: vibração, temperatura, consumo de energia e uma escala de tempo para medir há quanto tempo uma máquina está operando. A empresa também desenvolveu um software que pode analisar dados de sensores para prever quando um dispositivo pode precisar de manutenção.

READ  Royal expert claims Prince Harry and Meghan Markle's presence is "useless in self-exile"

A Y Combinator achou o pacote de software e hardware convincente, assim como investidores como Soma Capital, Norte Ventures e investidores anjos, incluindo Alan Rutledge e Immad Akhund.

A tecnologia Tractian custa US $ 90 para sensores, análise e software mais US $ 60 por mês para cada sensor. Marinelli afirma que o serviço pode se pagar em apenas dois meses. Na verdade, a empresa se registrou na AB InBev como cliente principal e tem quase 30 compradores no total com seus sensores.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe