Violentos protestos de jovens atingem a Tunísia em meio à turbulência econômica

Túnis, Tunísia (Associated Press) – A polícia usou gás lacrimogêneo para dispersar protestos violentos de jovens insatisfeitos em várias cidades tunisianas durante a noite, incluindo na capital Túnis e na cidade costeira de Sousse.

Os tunisianos em geral estão indignados com o fato de o país do Norte da África estar à beira da falência e ter serviços públicos precários. Muitos estão desapontados porque no décimo aniversário da revolução que derrubou o presidente autoritário Zine El Abidine Ben Ali, não há muito o que mostrar em termos de melhoria.

A polícia invadiu, pilhou e vandalizou lojas e bancos e prendeu “dezenas” de jovens, segundo a agência oficial de notícias TAP. Os manifestantes bloquearam estradas queimando pneus e jogando pedras e outras coisas na polícia e empresas, de acordo com o Ministério do Interior, que disse que a situação agora está “calma” em todo o país no domingo.

Vídeos que circularam nas redes sociais mostraram uma emocionante perseguição nos becos entre grupos de jovens e a polícia, que usou gás lacrimogêneo para dispersá-los.

Na quinta-feira, a Tunísia comemorou o décimo aniversário da fuga de Ben Ali, o Punho de Ferro, para o exílio, que foi deposto em uma revolução popular que anunciou levantes regionais pró-democracia, contendas e guerra civil no Norte da África e no Oriente Médio. Ser conhecida como Primavera Árabe.

Uma democracia nascente surgiu na Tunísia depois disso. No entanto, apesar dos ganhos, a decepção paira sobre o país do Norte da África, ressaltada por ataques extremistas, lutas políticas internas, uma economia turbulenta e promessas não cumpridas, incluindo o desenvolvimento interno.

Apesar dos direitos garantidos e das numerosas eleições democráticas, os protestos florescem, especialmente nas regiões centro e sul, onde o desemprego juvenil chega a 30% e o nível de pobreza é superior a 20%.

READ  Brasil promulga lei garantindo independência dos bancos centrais | Reuters | O negócio

De acordo com o Fórum Tunisino de Direitos Econômicos e Sociais, mais de 1.000 manifestações ocorreram somente em novembro. Os protestos de meses paralisaram a produção de petróleo e fosfato por meses, deixando bilhões de dólares em buracos no orçamento do país.

Teremos o maior prazer em ouvir seus pensamentos

Deixe uma Comentário

N1 Sergipe